Fazendo a fonte: Tenez — uma família tipográfica digna de Grand Slam.

Me formei em administração de empresas e ao longo dos estudos aprendi que para diminuir riscos financeiros, deveria buscar diferentes fontes de renda e diversificar meu portfólio.

Entendi o conselho ao pé da letra (literalmente!) e o segui me tornando designer e em seguida criando novas fontes — só que tipográficas.

Essas fontes são fruto de uma obsessão apaixonada e saudável por um universo muitas vezes desconhecido mas constantemente presente na vida de cada um de nós, o universo tipográfico.

O dia de hoje marca a data de lançamento da nossa quinta família tipográfica de varejo no site mais popular de venda de fontes — o MyFonts.

O nome dela é Tenez.

Sua ideia teve início a partir de um rascunho de um belo R para uma marca que estávamos desenvolvendo na Plau (que o Lucas rabiscou despretensiosamente e eu tive a sorte de encontrar).

O rascunho original da marca. Tudo começou pelo R.

A partir daí criamos o logotipo e eu segui desenvolvendo a fonte, tendo em mente um desenho altamente orgânico (queríamos que ela parecesse ter sido desenhada à mão) de alto contraste (tipo Bodoni, Didot, Walbaum) mas com personalidade única e afastada do modelo clássico dessas fontes citadas acima.

Busquei um mapa de caracteres bem abrangente — dá para falar até Vietnamita com a Tenez — e caracteres que pudessem ser usados sozinhos, por isso desenhamos cada um no capricho!

& Black e Black Italic
Pesos
Ligaduras
O dois pontos se ajustam quando digitamos os horários.

O resultado final é uma família tipográfica em 8 estilos — light, regular, bold, black e os itálicos — para ser usada em tamanhos grandes (pense naquela abertura de matéria de uma revista chique, logotipos de marcas de moda e gastronomia, capitulares de livro, para definir alguns).

E nada disso seria real não fossem os Specimens — as imagens que mostram como a fonte poderia ser usada em situações reais — criados pela equipe da Plau: Lucas Campoi, Flora de Carvalho, Daniel Rocha, Gabriel Galc e Dominique Kronemberger.

Specimens: de cima para baixo: Gabriel Galc/Lucas Campoi, Flora de Carvalho, Rodrigo Saiani e Dominique Kronemberger

E da paciência da Vanessa, minha mulher, que teve que me aturar teclando e clicando bilhões de vezes ao seu lado na calada da noite. Ela sabia que era por uma boa causa. E de tantas outras pessoas, que para reduzir o risco de esquecer, omito aqui mas que foram igualmente importantes para que isso acontecesse.

Licenciem a Tenez, e tantas outras fontes de qualidade sendo produzidas por pessoas, que com grande amor ao ofício, vão criando novas fontes tipográficas, e de renda, no Brasil.

Para licenciar a Tenez:

Rodrigo Saiani é fundador da Plau e type designer. Suas fontes podem ser vistas em canais de televisão, plataformas de games, livros e sites pelo mundo.